sexta-feira, 9 de maio de 2014

Para não esquecer a História


J.-M. Nobre-Correia

Quando se volta ao Fundão, muitos anos depois, uma característica surpreende : a ausência de História. Ou melhor : a ausência de referências à sua história. As placas com os nomes das ruas não explicitam nada. E poucos saberão explicar quem era o ilustre personagem que deu nome a tal ou tal rua. Pior que isso : os monumentos ligados à sua história são perfeitamente inexistentes.
Houve, é certo, essa iniciativa que fez de Martim Calvo o “povoador” do Fundão : estranha iniciativa e ainda mais estranho monumento que já teve de mudar de lugar e se encontra agora num sítio perdido. E está anunciada uma estátua de António Paulouro na Praça Velha, merecida homenagem a um homem que marcou a história do Fundão da segunda metade do século XX.
A leitura tardia da obra da prof. Maria Antonieta Garcia, Inquisição e independência, um motim no Fundão – 1580 *, leva a considerar que é absolutamente inacreditável que a cidade não preste homenagem ao personagem central de um momento alto e único da história do Fundão. No mínimo, não deveria(m) a Câmara Municipal ou/e a Junta de Freguesia mandar(em) colocar uma lápide no Largo Alfredo da Cunha em que ficasse escrito : “A Estêvão de Sampaio, vereador do Fundão, e aos seus companheiros que em 22 de Novembro de 1580 se bateram pela autonomia da vila, defenderam a liberdade religiosa e os cristãos-novos, e se opuseram ao obscurantismo e à repressão da Inquisição. Homenagem do povo fundanense”.
Mas já que evocamos o Largo Dr. Alfredo da Cunha : não será intolerável que o segundo director do Diário de Notícias (de 1894 a 1919), jornal que marcou a história da imprensa nacional nos séculos XIX e XX, não seja mais seriamente homenageado pela terra onde nasceu ? Tanto mais que Alfredo da Cunha exerceu outras altas funções, nomeadamente a de director da Sociedade de Geografia. Haverá quem diga que o facto de dar o seu nome a uma praça central da cidade constitui já uma bela homenagem : e é verdade. Mas Alfredo da Cunha não mereceria que se erguesse um monumento de estatuária em que o Fundão manifestasse o seu orgulho em tê-lo tido como filho ?
Com a lápide em homenagem a Estêvão de Sampaio e o monumento a Alfredo da Cunha, o largo da Igreja Matriz passaria a ser mais do que nunca um ponto central da cidade e um lugar carregado de História…

* Coimbra e Castelo Branco, ed. Alma Azul, 2006, 248 p.


Texto publicado no Jornal do Fundão de 22 de julho de 2010, p. 10

•••••
Este texto merece um primeiro complemento de informação : muitos anos antes da prof. Maria Antonieta Garcia falar do “motim no Fundão”, já o juiz-desembargador José Alves Monteiro evocara o dito acontecimento sob o vocábulo de “alvoroço” numa das suas publicações.
Segundo complemento de informação : mais de quatro meses tempo depois da publicação do artigo acima transcrito, enderecei em 12 de dezembro de 2010 aos então presidente e vice-presidente da Câmara Municipal do Fundão o correio seguinte :
“Em 22 de Julho último, publiquei no Jornal do Fundão um artigo (“Para não esquecer a História”) de que junto envio cópia do original.
Com uma certa surpresa minha, este texto suscitou diversas manifestações de apoio e simpatia nos dias que se seguiram, por parte de conterrâneos de meios sociais bastante contrastados.
Talvez porque o auge do verão e das férias grandes não seja o momento mais propício para chamar a atenção da presidência da Câmara Municipal do Fundão e dos seus vereadores, o facto é que as propostas feitas no dito artigo não tiveram, que eu saiba, o mínimo eco em reuniões posteriores do executivo camarário…
Se me permito escrever-lhe hoje, Senhor Presidente, não é de modo algum para sublinhar uma qualquer importância especial do artigo que escrevi. Trata-se sim de interceder junto do Senhor Presidente e da vereação da CMF para que sejam tomadas em consideração as duas propostas que nele faço.
Uma primeira proposta consiste em colocar uma lápide no Largo Alfredo da Cunha em que poderia ficar escrito : “A Estêvão de Sampaio, vereador do Fundão, e aos seus companheiros que em 22 de Novembro de 1580 se bateram pela autonomia da vila, defenderam a liberdade religiosa e os cristãos-novos, e se opuseram ao obscurantismo e à repressão da Inquisição. Homenagem do povo fundanense”.
A segunda proposta procura prestar homenagem a Alfredo  da Cunha, que foi nomeadamente director do Diário de Notícias (de 1894 a 1919) e director da Sociedade de Geografia, erguendo um monumento de estatuária em que o Fundão manifestasse o seu orgulho em tê-lo tido como filho.
Terminava eu assim o artigo publicado no Jornal do Fundão : “Com a lápide em homenagem a Estêvão de Sampaio e o monumento a Alfredo da Cunha, o largo da Igreja Matriz passaria a ser mais do que nunca um ponto central da cidade e um lugar carregado de História”.
Permito-me pois, Senhor Presidente, submeter a V. Ex.a e à vereação que V. Ex.a preside estas duas propostas. E, como fundanense, ser-me-ia particularmente grato se o executivo municipal as acolhesse positivamente.
Grato pela atenção dispensada, apresento-lhe, Senhor Presidente, os meus melhores cumprimentos.”

Como é prática habitual do executivo municipal, este correio não deu direito a qualquer acusado de receção. E nenhum seguimento foi dado às propostas que nele figuravam.
•••••
Em janeiro de 2012, o presidente da CMF decidiu retirar-se do cargo e o antigo vice-presidente passou a assumir a presidência. Em reuniões que tiveram lugar em 7 de dezembro de 2011, em 3 de agosto e em 5 de novembro de 2012, o novo presidente garantiu que, em homenagem a Estêvão de Sampaio e aos seus companheiros do alvoroço/motim de 1580, uma lápide seria descerrada em 22 de novembro desse ano. Na anunciada data, nada se passou. E nada se passou na mesma data do ano seguinte…
Quanto a Alfredo da Cunha e ao seu 150° aniversário, um colóquio, um livro/brochura e uma cerimónia da homenagem foram programados. E, em 28 de dezembro de 2012, o presidente da CMF anunciou mesmo que se inseririam os dois primeiros nas comemorações do 25 de Abril em 2013 e a cerimónia de homenagem para o próprio dia do aniversário, em 21 de dezembro de 2013. Nada porém se passou nas datas anunciadas…
•••••
O Fundão continua assim alheio à sua própria história e nomeadamente ao que de mais glorioso nela marcou a própria história de Portugal…